Blog

Passo a passo para aprovar seu projeto no PIPE/Fapesp
Fapesp Pipe

Se você está desenvolvendo uma tecnologia realmente inovadora, o programa PIPE da FAPESP é um dos melhores mecanismo de apoio, pois concede até R$ 1,2 milhões por projeto na forma de recursos não-reembolsáveis (chamados também de fundo perdido ou subvenção). Elaboramos um rápido passo-a-passo para aqueles que queiram participar dessa oportunidade.

 

Etapas para submeter seu projeto no PIPE da FAPESP

 

Passo 1: Verificar se o projeto e empresa tem aderência ao programa

 

A FAPESP só aprova projetos que tenham como diferencial pelo menos três elementos: tecnologia realmente inovadora do ponto de vista técnico; um potencial comercial relevante; e uma equipe com boa escolaridade e histórico bem sucedido em pesquisas anteriores.

A tecnologia a ser desenvolvida deve apresentar um claro avanço no estado-da-arte na área em questão. Além disso, o projeto deve gerar algum conhecimento novo (definição de pesquisa). O PIPE foi feito para apoiar pequenas empresas e empresas nascentes. Por pequenas empresas entenda-se aquelas com até 250 funcionários (esse é o critério FAPESP). É possível pleitear o recurso mesmo sem ter uma empresa constituída.

Naturalmente, ainda sim é necessário demonstrar que a equipe tem capacidade de posteriormente levar a tecnologia ao mercado de forma bem sucedida.Há também como requisito que a pesquisa seja realizada no Estado de São Paulo. Já aprovamos projetos cuja pesquisa está sendo realizada pela filial em São Paulo, ao passo que a matriz fica em outro Estado.

 

Passo 2: Definir a fase do programa

 

O PIPE possui três fases (I, II e III). Se o seu projeto de pesquisa está em estado muito inicial, recomenda-se submetê-lo à Fase I. Esta é voltada para apoiar projetos que estão em estado de comprovação da viabilidade técnica, e concede até R$ 200 mil reais para um projeto com até 9 meses de duração.

Caso sua tecnologia já tenha a viabilidade técnica comprovada, a Fase II do PIPE é a ideal. Ela é voltada para transformar e amadurecer uma tecnologia em estado inicial até torná-la um protótipo de produto ou tecnologia com potencial de comercialização. A Fase II concede até R$ 1 milhão para um projeto com duração de até 24 meses.

A fase III é realizada periodicamente em editais separados, sendo essa chamada aberta apenas para fases I e II. Na fase III a empresa vai realizar o desenvolvimento do protótipo ou tecnologia para torná-lo um produto comercializável e industrializável. Cada edital tem suas regras específicas na fase III, podendo se limitar a algum setor industrial, definir os valores limites por projeto, entre outros.

 

Passo 3: Definir o pesquisador responsável

 

Escolhida a fase do programa, é necessário definir quem será o pesquisador responsável junto à FAPESP. O pesquisador responsável será o elemento chave para orientar os bolsistas e para garantir que a pesquisa seja realizada, tendo seus desafios e riscos tecnológicos superados.

 

Ele é o elemento mais importante na análise pela FAPESP, o que significa que grande parte das chances de aprovação do projeto está baseada na análise de seu currículo, expertise e capacidade de levar a cabo a pesquisa até o fim, superando os desafios apresentados. Deste modo, é necessário que a pessoa escolhida tenha um histórico sólido de P&D anteriores na área.

 

Também é recomendado, embora tenhamos projetos aprovados que não obedecem essa regra, que o pesquisador responsável tenha pelo menos um mestrado (idealmente doutorado). Mas uma boa experiência profissional na área é levada em consideração pela FAPESP.

 

Passo 4: Montar o projeto de Pesquisa

 

O projeto de pesquisa é o documento mais importante do pleito. Nele é necessário enfatizar o potencial da tecnologia em relação ao estado-da-arte da ciência naquela área de atuação, como os problemas apresentados são atendidos pelas soluções existentes, bem como demonstrar qual a finalidade e o uso da tecnologia a ser criada.

Outros elementos para os quais se deve ter critério ao elaborar é o cronograma e o plano de atividades dos bolsistas, se houver pedido de bolsas. Neste caso, é importante justificar tanto a necessidade de ter o expertise necessário do bolsista no projeto, bem como embasar que suas atividades no projeto são compatíveis com o tempo de bolsa solicitado.

 

Passo 5: Montar o Plano de Negócios

 

O plano de negócios só é requisitado no PIPE fase II e III. Embora um pouco menos relevante que o Plano de Pesquisa, o objetivo do plano de negócios é provar que há uma relevância comercial para o que está sendo pesquisado, ou seja, que o novo produto ou serviço criado terá um impacto significativo em seu mercado.

Além disso, é importante mostrar que a empresa fez a sua lição de casa e tem ciência do contexto de mercado na qual ela e sua tecnologia se encontram. Assim, itens como uma análise SWOT da empresa, bem como a comparação com tecnologias e produtos similares e substitutos são imprescindíveis para corroborar a importância do projeto para o mercado.

Outra parte essencial é garantir que haja viabilidade financeira no que irá ser produzido e posteriormente comercializado, demonstrando todos os investimentos, receitas, custos e despesas ao longo a exploração comercial do produto, demonstrando a sua viabilidade.

Se o seu projeto for o desenvolvimento no Brasil de uma tecnologia existente no exterior, há de se tomar o cuidado de não embasar a argumentação apenas no fato de que o preço será menor por ser produzida localmente. Empresas estrangeiras podem baixar o preço devido à concorrência, ou mesmo fazer dumping no seu produto, o que tira parte da atratividade comercial do projeto.

 

Passo 6: Orçamento e cronograma físico financeiro

 

Na determinação do orçamento é que se indica aonde será utilizado o recurso financeiro. Aqui é importante observar que o programa somente financia: material de consumo, material permanente, serviços de consultoria especializada e bolsas. O PIPE fase I e II não subvenciona salários de qualquer natureza, o que pode ser um entrave para empresas que queiram financiar a sua equipe existente de P&D.

Deve-se também justificar o porquê do projeto necessitar de serviços de terceiros, equipamentos etc, bem como apresentar três orçamentos (cotações) de tudo em consonância com a lei de licitações. Cuidado na hora de apresentar os orçamentos, que devem ser estritamente idênticos. Naturalmente, a menor cotação deve ser a escolhida. Atente também ao valor total dos itens orçados, para não extrapolar os limites do programa e ter o projeto eliminado.

Já o cronograma físico financeiro deve mostrar os gastos do projeto ao longo do tempo. Neste caso, não há que se preocupar se a maior parte dos dispêndios ocorrerem no começo, pois isto é normal, uma vez que nessa fase se monta a infraestrutura do projeto. Idealmente, todas as atividades e recursos humanos envolvidos no projeto devem ser indicados, além dos entregáveis que ocorrerão ao longo da pesquisa, detalhando sua metodologia para alcançar os objetivos propostos no projeto.

 

Passo 7: Elaborar documentos auxiliares

 

Além dos documentos acima descritos, a FAPESP solicita alguns documentos auxiliares, como formulário do projeto e da equipe, resumo em inglês, justificativa de orçamento etc. É importante não se perder na elaboração de todo o material para a FAPESP, que é grande, pois em programas desse tipo um pequeno erro, como esquecer do contrato social da empresa, pode significar eliminação sumária.

 

Caso queira mais informações, dicas, ou orientação de como aprovar o seu projeto, não hesite em nos contatar ou ler mais sobre o PIPE em nosso blog.

 

Veja também

Lei do Bem

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e a  Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei) lançaram, em parceria, um Guia sobre a Lei do Bem. Um dos principais objetivos da publicação é orientar e oferecer respaldo jurídico às empresas que usufruem do benefício fiscal.

Financiamento

Um financiamento para projetos de inovação de alguns milhões podem realmente fazer uma grande diferença no futuro da sua empresa. Isso é algo que viemos discutindo nos últimos posts. Desde um plano de marketing mais agressivo, novos produtos, aumento da capacidade produtiva... são inúmeros os benefícios de injetar um aporte financeiro em uma empresa.

BNDES

Se sua empresa é de software, o governo disponibiliza algumas linhas de financiamento realmente interessantes para você. Além de software ser um setor estratégico para o país, todo mundo sabe que as empresas de software sofrem grande pressão para constantemente desenvolver e atualizar os seus produto...

Fale com um consultor
Deixe seu telefone e ligaremos em breve